Magazine - Rede Conecta

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Prometheus ... muito além de um filme "Alien"

Embora pareça surpreendente, o argumento do filme “Prometheus” poderia estar inspirado nas investigações de Zecharia Sitchin que sustenta que seres extraterrestres chamados Anunnaki foram os criadores da vida na Terra. (Alerta: Se você ainda não viu o filme e pretende vê-lo, recomendamos que pare por aqui e que não continue lendo este artigo porque revelaremos alguns detalhes do argumento e poderíamos estragar a sua ida ao cinema.)

Membros da expedição de “Prometheus” explorando uma estrutura do satélite LV-223. Da esquerda para a direita, o arqueólogo Charlie, a arqueóloga Elizabeth e o android David. (Imagem cortesía de Scot Free Productions)

Como veremos neste artigo, as declarações de Ridley Scott, diretor do filme, deixam claro que o argumento de “Prometheus” está inspirado nas teorias que sustentam que foram os extraterrestres os que criaram ou semearam a vida na Terra.

A nave “Prometheus”, batizada com esse nome em homenagem ao mito grego do mesmo nome. (Imagem cortesía de Scot Free Productions)
 A ideia por trás do filme é que, há milhares de anos, uma raça de seres extraterrestres introduziu no planeta Terra uma série de componentes genéticos com o objetivo de desenvolver vida inteligente. Logo, estes seres abandonaram o planeta rumo a um novo destino. No ano 2093, um grupo de arqueólogos terrestres basándo-se em algumas representações artísticas das culturas antigas conseguiram decifrar que constelação espacial e sistema planetário poderiam ter ido estes seres e decidem ir buscá-los.
Não é difícil perceber que a ideia de que algumas representações artísticas das culturas antigas parecem ser um mapa estelar está inspirada nas investigações de Zecharia Sitchin sobre os sumérios e seus deuses, os Anunnaki. Especificamente, a ideia poderia estar inspirada na análise que Zecharia Sitchin faz do cilindro-selo sumério VA-243 que podemos apreciar abaixo. ( Se desejar ler mais sobre este selo clique aqui)

Cilindro-selo sumério VA-243 que, segundo Zecharia Sitchin, mostra a existência e  localização do planeta Nibiru, do qual teriam vindo os deuses sumérios conhecidos como os Anunnaki.

Dentro das investigações de Zecharia Sitchin, encontramos algo ainda mais parecido a um mapa estelar: o famoso planisfério K8538. Segundo Sitchin, este planisfério é um mapa que mostra a rota que seguiram as naves Anunnaki para chegar ao planeta Terra. (Se desejar ler mais sobre este planisfério clique aqui)
 
Detalhe de um dos segmentos do disco neo-asirio K8538. Na parte superior podemos ver a tradução de Zecharia Sitchin e na parte inferior o segmento original.
Quando a arqueóloga Elizabeth Shaw explica à tripulação da nave “Prometheus” que o mapa estelar se encontra repetido nas representações artísticas de várias das culturas da antiguidade, uma das imágens apresentadas como evidência é um cilindro-selo sumério, onde se lê claramente: “Assentamento inicial sumério, baixo Eridu” (ver imagem abaixo). Eridu não é um nome inventado pelos produtores do filme “Prometheus”. Eridu é o nome de uma das cidades mais antiguas do mundo, localizada no sul da Mesopotâmia e construída ao redor de 5,400 a.C.
Segundo um documento denominado a “Lista suméria de reis”, Eridu foi a primeira cidade no mundo. A primeira linha deste documento diz: “Quando o reinado desceu dos céus, o reinado se estabeleceu em Eridu.”

o fundo aprecia a cena em que Elizabeth Shaw mostra os “mapas estelares” das culturas antigas. À direita uma representação claramente inspirada na cultura suméria. Abaixo direita, se lê “early Sumerian settlement lower Eridu” (“Assentamento inicial sumério, baixo Eridu”) (Imagem cortesia de Scot Free Productions)
Nessa mesma reunião, entre a arqueóloga Elizabeth Shaw e a tripulação da nave “Prometheus” se mostra outra imagem com rasgos que poderão qualificar-se como sumérios que inclui o que parece ser uma representação do Deus Sol Shamash.
 
Nesta imagem podemos ver outra representação com traços sumérios, ou em todo caso, com traços que pertenecem às culturas que se desenvolveram na Mesopotâmia. (Imagem cortesia de Scot Free Productions)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dna Binário agradece seu comentário.
Seja sempre bem vindo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...